STRESSE E O PACIENTE FELINO: BIOLOGIA DO COMPORTAMENTO (PARTE 1)

STRESSE E O PACIENTE FELINO: BIOLOGIA DO COMPORTAMENTO (PARTE 1)

Descompromisso, abstração e sedução, características sempre relacionadas aos gatos domésticos (Felis silvestris catus). Considerados os bons vivants
do reino animal do homem moderno, os gatos são  tradicionalmente lembrados por serem contemplativos e despreocupados.

O icônico pesquisador britânico John Bradshow alerta sobre a incompreensão da natureza reativa dos gatos1

. A delicadeza dos movimentos e a silenciosa presença, relacionam essa peculiar subespécie aos poucos cuidados (muitas vezes nenhum) com a sua realidade emocional. Daqueles que são escolhidos para frequentarem e até residirem nas famílias multiespecies: os gatos estão se tornando os favoritos.

Proporcionalmente, mais comportamentos observados e reconhecidos pelos familiares humanos como problemas são levados aos clínicos no Brasil.

No entanto, os gatos não são preferencialmente tranquilos e seguros. São adrenérgicos e esse conhecimento deve ser utilizado como ferramenta de ajuda e acolhimento desses animais seja em casa ou no ambiente onde é mantido preferencialmente. Os gatos transformam desafios emocionais ou reais em estopins fisiológicos que os preparam imediatamente para a fuga e, caso não haja escolha, a luta física pela sobrevivência é matar ou morrer. Como é para um gato estar em um apartamento pequeno,com

superpopulação, com poucos recursos e sem a possibilidade de escolher não estar ali e se afastar?

Enriquecer o ambiente é um dos pilares do bem-estar animal. Uma ação nobre e respeitável levou um animal para um ambiente seguro. Porém, ignorando as escolhas naturais/biológicas daquele individuo. Da mesma forma que um paciente felino é mantido em um ambiente hospitalar e que individualmente reconhece todo o ambiente e pessoas como ameaças importantes. Os gatos são fiéis às suas características ancestrais e, assim, enfrentam seus desafios através da ativação do Sistema Nervoso Simpático. Assim, diferente do que muitos acreditam, os gatos são animais reativos e poderão conviver cronicamente estressados frente a situações incompatíveis com suas demandas emocionais (ambiente sem enriquecimento). O clínico é uma importante frente de batalha para a descentralização do conhecimento para um manejo domiciliar adequado, bem como manter o ambiente veterinário menos ameaçador. O gato enquanto paciente deve ser considerado uma presa vulnerável para que possamos acessálo através da sua perspectiva emocional. Blindar os gatos através de uma conduta que minimiza situações que potencialmente ameaçam o animal é um dos importantes objetivos do manejo catfriendly®divulgado pelas associações norte americana (https://www.catvets.com) e européia (https://icatcare.org) de prática felina. A Abfel (Associação Brasileira de Clínicos de felinos – http://www.abfel.org.br) tem ocupado parte da sua agenda anual em eventos que divulgam as práticas veterinárias que não ameaçam os gatos enquanto pacientes.
Essa série de textos para educação continua dado clínico pretende chamar atenção para o reconheceimento e combate ao estresse imposto aos gatos pelos desafios emocionais. Um abraço e até a próxima.

 

Escrito por
Carlos Gabriel Dias
(cgabrielvet@hotmail.com) Mestre e Dr. em Ciências Veterinárias

Waldemat Tavarez
(waldemarvet@hotmail.com)
Mestrado de Diagnóstico Avançado em Medicina Veterinária

 

Sócios da The Cat from Ipanema