A Medicina Chinesa tratando a dor

A acupuntura, quando trazida ao ocidente, já tinha a imagem de um excelente tratamento para a dor. Mesmo nos dias de hoje, que sabemos da sua utilização em todas as patologias, continua sendo uma grande ferramenta contra a dor.

 Como já é sabido, as agulhas quando aplicadas no paciente estimulam pontos específicos do organismo onde as terminações nervosas, a trama conjuntiva e os vasos sanguíneos estão dispostos de uma forma diferenciada no aspecto histológico e funcional, fazendo com que os impulsos nervosos sejam sentidos e transmitido também de forma diferenciada, e que a produção de mediadores locais seja mais intensa e compatível com o estimulo alocado para se obter as reações requeridas.

Sabemos também, que acupuntura não se faz só com agulhas. Além de agulhas, podemos utilizar o estímulo térmico da moxabustão, o estimulo elétrico da eletroacupuntura, o estímulo das cores na associação da cromoterapia em pontos – a cromopuntura, a laserpuntura, a farmacopuntura, o implante de filamentos de ouro, e outras técnicas que podemos trabalhar.

Até a massagem dos pontos é uma forma de acupuntura, muitas vezes equalizada em sua eficiência com a utilização de técnicas feitas com aparelhos de grandes valores agregados e altamente sofisticados.

A dor é um sinal clínico importante, e por isso devemos ter muito cuidado e dispor de uma boa estratégia para tratá-la, pois muitas vezes é uma resposta orgânica para que se evite o agravamento da lesão. Este quadro é facilmente visto em equinos tratados com bloqueios anestésicos que retiram os sintomas de dor e possibilitam a continuidade do esforço em uma prova atlética ou trabalho, mas que aumentam a probabilidade do animal sofrer graves lesões tendinomusculares ou ósseas pelo fato de técnicas como esta anularem a dor que inibe o animal a ultrapassar o limite de esforço, facilitando o início de problemas mais graves.

Em um exemplo como este, a acupuntura pode ser uma das respostas quanto ao tratamento da dor, porque quando utilizada, retira o estímulo, mas não bloqueia a sensibilidade e ao ultrapassar o limite físico, faz com que o animal não apresente lesões maiores e incapacitantes.

Temos a possibilidade da utilização de várias técnicas que trabalham, em especial, com os meridianos, ou canais energéticos tendinomusculares, os quais são conhecidos por qualquer acupunturista. O fato é que a utilização destes canais energéticos nem sempre são eficientes, pois a dor não acontece única e exclusivamente por causas físicas.

Por este e outros tipos de dor, inclusive as dores persistentes após tratamentos, devemos nos ater a possibilidade de serem originárias nas emoções, explicadas na medicina chinesa pela ação do pericárdio e dos meridianos distintos.

Podem ser tanto dores exteriores, que tem a fibromialgia como um exemplo comum na medicina humana e dores que pioram com o uso de técnicas convencionais de acupuntura na veterinária, como dores viscerais, relacionadas intimamente com desequilíbrios emocionais causados pela forma de viver do ser humano, e no caso da veterinária, pela ação do ambiente em especial do tutor.

Na maioria das vezes o ser humano desequilibra e gera desequilíbrios na energia do animal, disfunção esta identificada claramente na dor dos canais energéticos distintos.

Para podermos tratar adequadamente as dores, devemos então, não só conhecer e desenvolver o diagnóstico correto, mas também conhecer e desenvolver o tratamento adequado, regulando as emoções principalmente através do equilíbrio dos meridianos distintos.

Hoje, sabemos que todas as dores são passíveis de tratamento com completa remissão dos sintomas, cabendo ao Médico Veterinário Acupunturista o conhecimento e o completo preparo, entendendo desde a etiologia e fisiologia física e energética da dor, até o correto tratamento e utilização de todas as armas disponíveis para o sucesso terapêutico.